terça-feira, 13 de abril de 2010

O CONHECIMENTO TAMBÉM COMO CIÊNCIA PEDAGÓGICA

Flávia Garcia Fernandes1

“O que o homem guarda como conhecimento não são apenas informações amorfas e neutras, reduzidas a esquemas lógicos.O conhecimento implica também vida e experiência.As palavras em que se traduz, além de seu significado codificado, carregam também recordações e lembranças, afetos e emoções, a marca das situações em que foram geradas ou utilizadas”.2(Marques, 1988)

O conhecimento é a busca da ordem como busca da própria vida. Todos humanos são desejosos de conhecimentos.
A razão que serve para o desenvolvimento da técnica é a razão instrumental dos conhecimentos, bem diferente da razão vital, por meio da qual o homem se torna capaz de compreender criticamente a situação em que vive.
A forma interdisciplinar possui as formas institucionais muito fortes, historicamente construídas, para resguardar as manifestações da objetivação disciplinar do conhecimento. Nessa forma há construção de relações, que podem estar interligadas e significações, podendo ou não ganhar novos sentidos.
Para termos um conhecimento amplo, crítico e interdisciplinar precisamos utilizar-nos da razão vital na qual trabalhamos com as situações do cotidiano do educando e provocando uma interdisciplinaridade, ou ainda, uma transdisciplinaridade.
Essa transdisciplinaridade que falo vai além da interdisciplinaridade (necessidade de importar um método de uma disciplina para outra, surgindo uma interdisciplina). Ela sente a necessidade de cruzar as fronteiras de sua própria disciplina e estabelecer uma ponte que permita estudar fenômenos que se situam fora e além do âmbito das disciplinas existentes. Este é o campo da transdisciplinaridade.
Desta forma, a questão da transdisciplinaridade toca de perto o interesse dos educadores. E se a Pedagogia assume-se interdisciplinar ou multidisciplinar, é preciso o difícil salto para o conhecimento vital e abandono da tecnificação do imaginário com suas raízes na razão instrumental.
Conhecer é reproduzir em nosso pensamento a realidade. Damos o nome de conhecimento à posse deste pensamento que concorda com a realidade. À concordância do pensamento com a realidade chamamos verdade.
O conhecimento faz parte do poder por inclinar a ciência em direção à exploração da natureza. Preocupa-se não só com os efeitos, mas principalmente com as causas e leis que o motivaram. Esta percepção do conhecimento se dá de forma lenta e gradual, evoluindo de um conceito que era entendido como um sistema de proposições rigorosamente demonstradas e imutáveis, para um processo contínuo de construção, onde não existe o pronto e o definitivo - constante busca de soluções.
O conhecimento acumulado pela humanidade está registrado nos arquivos das bibliotecas espalhadas pelo mundo inteiro, na internet e demais meios de comunicação. O progresso exige que o conhecimento adquirido esteja sempre em constante aprimoramento. Para termos um olhar crítico, devemos libertar-nos do nosso egoísmo, orgulho e interesse próprio, contribuído para que a humanidade continue caminhando de modo que todos possam usufruir dos benefícios de tais conhecimentos e em relação ao poder e ao controle ideológico da cultura o conhecimento científico deve ser utilizado com consciência da sua busca infinda e das possíveis críticas- Livre de preconceitos pessoais e conclusões precipitadas.

1 Pedagoa. Mestre em Educação nas Ciências- UNIJUÍ.
2MARQUES, Mario Osório. Conhecimento e Educação.Unijuí, Ijuí, 1988, p.128.

Nenhum comentário:

Postar um comentário