terça-feira, 20 de abril de 2010

POPULAÇÃO ÍNDIGENA NO BRASIL (Texto informativo)

POPULAÇÃO ÍNDIGENA NO BRASIL
O primeiro contato entre índios e portugueses em 1500 foi de muita estranheza para ambas as partes. As duas culturas eram muito diferentes e pertenciam a mundos completamente distintos.
Os indígenas que habitavam o Brasil em 1500 viviam da caça, da pesca e da agricultura de milho, amendoim, feijão, abóbora, bata-doce e principalmente mandioca. Esta agricultura era praticada de forma bem rudimentar, pois utilizavam a técnica da coivara (derrubada de mata e queimada para limpar o solo para o plantio).
Estimativas da população indígena na época do descobrimento apontam que existiam no território Brasileiro, mais de mil povos, sendo cinco milhões de indígenas. Hoje em dia, são 227 povos, e sua população está em torno de 400 mil. As razões para isso são muitas, desde agressão direta de colonizadores a epidemias de doenças para as quais os índios não tinham imunidade ou cura conhecidas.


ÍNDIOS KARAJÁ

Os índios Karajá habitam tradicionalmente a bacia do rio Araguaia, falam língua homônima pertencente ao tronco lingüístico Macro-Jê, apresentam população de aproximadamente 3850 pessoas e se dividem atualmente em três subgrupos: os Javaé, os Karajá do Norte e os Karajá propriamente ditos.
O subgrupo Karajá é o maior com população aproximada de 2500 pessoas e pode ser encontrado nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins e Pará. Os Javaé são cerca de 1100 pessoas habitando o Estado do Tocantins, que juntamente com os Karajá nesse Estado ocupam aldeias localizadas na Ilha do Bananal.
Vivem do cultivo do milho, mandioca, batata, banana, cará, melancia, feijão e amendoim, e prezam pela pintura corporal. Dividem o trabalho, fica para os homens a defesa do território, abertura de roças, construção das casas, pesca e outros. Para as mulheres o trabalho de educar os filhos, cuidar dos afazeres domésticos, do casamento dos filhos, da pintura e ornamentação das crianças e outros.
A arte cerâmica é exclusiva das mulheres, apresentando os mais variados tipos e motivos, desde utensílios domésticos, como potes e pratos, até bonecas com temas mitológicos, vida cotidiana, fauna.

CERÂMICA KARAJÁ
Para confeccionar a cerâmica, os artesãos utilizam uma argila especifica chamada de barro de louça que misturado com cinzas da madeira e colocada para secar ao sol, depois queimada no forno tradicional.
No final, a peça é pintada de preto e vermelho. Feitas pelas mulheres, podem ser utilitárias (potes, pratos, tigelas) ou ornamentais assim também, são confeccionadas as bonecas Ritxokò.
As bonecas Ritxokò representam o cotidiano da aldeia, de brinquedos de criança no passado, a cobiçadas peças no comércio local.
Entre os povos indígenas do Tocantins, os Karajá são os únicos que ainda produzem cerâmicas.
As miniaturas em cerâmica, representam o cotidiano do povo Karajá, como o parto, a caçada e a pescaria. São figuras de animais encontrados na Ilha do Bananal, como onça, anta, jacaré, tucano, ariranha e paca.

Fonte: Cultura Popular

5 comentários:

  1. parabens pelo seu texto ele é muito interessante!

    ResponderExcluir
  2. eu apreciei seu texto mais queria que vc falase resumidamente sobre a populaçao indigena aproximada em 1500 e nos dias de hoje
    é até quinta feira é um trabalho de escola pf eu comfio em vc me ajuda

    ResponderExcluir
  3. Ajudou Demais Na Minha Pesquisa

    ResponderExcluir
  4. Minha filha copiou esse texto no trabalho da escola ela tirou a nota maxima

    ResponderExcluir